Pensando no ditado “Penso, logo êxito” a Dumela conversou com várias pessoas sobre a triste realidade do racismo no Brasil. Muitos ainda “acham” que ele não existe, que o país é democrático, generoso, mas não é bem isso que vemos, sentimos e ouvimos. Assim, acreditamos que é preciso gritar aos quatro cantos do mundo que SIM o racismo existe e precisa URGENTEMENTE ser erradicado

Edição: Carla Tôzo e Edilaine Felix

 

“Para mim racismo é quando pessoas brancas se acham superiores às pessoas negras pelo simples fato de serem de outra etnia. Não sei como começou, mas alguém em algum momento da história resolveu que se você nasce branco é, em vários aspectos, melhor do que quem nasce preto ou não branco. Essa concepção social de que existe uma ‘raça’ superior vem prejudicando pessoas negras desde o início da escravidão. AS pessoas negras não eram consideradas pessoas nessa época por conta do tom de pele. Na atualidade, mesmo que não exista escravidão propriamente dita, o racismo se manifesta de outras formas: quando a mulher negra é reduzida à sua sexualidade ‘quente’, quando homens negros são o alvo da polícia, quando a cada 23 minutos morre um jovem entre 15 e 29 anos. Nós brasileiros temos a mania de achar que se a gente não falar sobre algo, essa coisa não existe. Por isso, por vários anos não se discutia tanto sobre o racismo quanto agora. Se faz  cada vez mais necessário falar sobre o que é o racismo, sobre o que ofende pessoas negras e etc e inclusive é importante que as pessoas negras sejam ouvidas sobre isso, sobre o que as incomodam, se tal frase foi ou não racista.” – Thayná Oliveira, aluna do 6º semestre de Jornalismo do FIAMFAAM

 

“Quando falamos de racismo geralmente nos vem o ponto mais crucial que  é o racismo em relação à raça negra e isso é notório e histórico em função do sofrimento que essa etnia teve durante milhares de anos. Mas o racismo tanto existe em várias raças, como por exemplo, aquele que encontramos na Espanha e que minha família sofreu. Meu pai é galego, minha mãe é de Granada (Andaluzia). Existe um racismo lá das pessoas do sul, como se fosse o racismo que encontramos aqui com o pessoal do nordeste. O ponto crucial é o racismo da raça negra, em função da escravidão e até hoje a segregação que temos no País. O racismo existe contra o árabe, contra o muçulmano, mas contra o negro é muito pior. É importante falar disso para que entendamos que somos todos seres humanos. E eu não vejo sexo ou cor nisso, e ao ver o ser humano e independente de onde ele nasceu, a cor, a condição dele … Existem pessoas preocupadas em mostrar que o racismo não é legal (tem lei que pune atos racistas), mas existem ativistas que não educam, não dialogam. Tenho alunos e colegas que são negros e dizem que se sentem ultrajados muitas vezes, pois parece que querem colocá-los em um local de proteção apenas e não em posição de destaque, como de fato merecem.” – Gloria Tenório, aluna do 6º semestre de Jornalismo do FIAMFAAM

 

“O racismo é um sistema de opressão e uma falsa teoria segundo a qual os seres humanos devem ser hierarquizados de acordo com seu pertencimento étnico-racial. Neste sentido, o racismo produz exploração, apropriações e privilégio de um grupo étnico hegemônico em relação a outro, historicamente discriminado e estigmatizado. É importante falar sobre o racismo porque uma das formas de sua reprodução é o tabu gerado em torno dele. Ou seja, o silêncio sobre o racismo o alimenta. Por isso devemos falar sobre racismo, lembrando sempre que ele se trata de um fenômeno relacional, envolvendo, no contexto brasileiro negros e brancos. Isto é dizer que ele deve ser encarado como um problema de toda a sociedade e não uma questão dos negros.” – Daniel Teixeira, diretor de projetos do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT)

 

“Racismo pra mim é quando a pessoa te ofende  pelo seu tom de pele, pela sua cor, pela sua raça, pelo que você é. Eu acho que é importante falar sobre o racismo nos dias de hoje pela propagação de ofensas, principalmente na internet. Então é importante falar, é importante entender o que é pra gente conseguir combater”, Janaina Santos de Oliveira, estudante do 6º semestre de  Jornalismo do FIAM-FAAM

 

“Racismo é simplesmente diminuir o próximo que é igual a você por um detalhe. Um detalhe físico, só isso, diminuir o próximo que é igual a você. É importante falar sobre racismo porque as pessoas têm de aprender a conviver com o próximo e aprender que as coisas machucam, as palavras machucam, as ações machucam e ninguém é maior que ninguém.” – Mariane Barbosa, aluna do 8º semestre de Jornalismo do FIAM-FAAM

 

“Racismo é quando uma visão de mundo, uma forma de existir, uma cultura é dominante na sociedade e se sobrepõe as outras diversas culturas, se tornando hegemônica. No caso do racismo brasileiro, temos a cultura branca trazida pelos europeus durante a colonização como hegemônica e neste contexto tudo que está relacionado ao branco, ao modo de existir europeizado é considerado bom, enquanto tudo que está relacionado ao negro, ao modo de existir africanizado é considerado ruim. Ser branco é o modelo de humanidade, racionalidade e evolução, e ser negro ou indígena é o contrário disso. É assim que o racismo se manifesta. É importante discutir sobre racismo, justamente para confrontá-lo em uma sociedade como a brasileira em que a maioria das pessoas acha que o racismo não existe, mas usa termos extremamente racistas como “denegrir”, “a coisa tá preta!”, “lista negra”, etc. Aí vemos que tudo que está relacionado à ideia de “negro” é considerado ruim. As manifestações afro-brasileiras são consideradas “primitivas”, “exóticas” ou demoníacas, como é o caso do Candomblé. Se não se discutir o racismo, continuaremos em uma sociedade onde 54% da população é negra ou não-branca, mas ainda assim não conhece sua própria cultura e identidade. Um país com problema de identidade, é um país que nunca alcançará a sua potência cultural e política.” – Vinicius Amaral, pesquisador

 

“Racismo. No dicionário racismo significa doutrinação hierárquica de uma raça em cima da outra está associado ao sistema político e até de organização social, mas fica até difícil responder o que é racismo sem passar por isso, por que hoje em dia racismo é qualquer pré-conceito que um ser humano tem sobre o outro, ou até mesmo, qualquer julgamento feito sobre outra raça pode ser considerado racismo. Mas vai muito além disso, porque racismo a partir desse preconceito generalizado torna uma ação digna de luta social contra esse racismo, essa doutrinação hierárquica de etnias, como se fosse uma luta de etnias, colocando uma etnia, uma raça, como maior ou melhor que a outra. Eu acho que pra combater o racismo tem que bater numa tecla que é muito antiga: políticas educacionais preparatórias. A educação e a politização são princípios básicos para o combate do racismo ou de qualquer  tipo de preconceito arraigado na sociedade, mas cultura e os fatores geopolíticos  e territoriais não podem ser desculpas para ações de preconceito, ações racistas, por isso uma sociedade precisa de ações básica de educação que são provenientes de políticas públicas e também de uma midiatização consciente sobre o assunto para que mais massas saibam o que é e possam combater esse tipo de ação.” – Isadora Camargo, professora de jornalismo do FIAM-FAAM e coordenadora multimídia da EFE Brasil

 

“Racismo é a pior doença da nossa sociedade atualmente. É uma teoria de supremacia e opressão de uma raça sobre a outra. Nós, como negros, somos as maiores vítimas do racismo na nossa sociedade devido a uma supremacia branca vigente. É importante falar sobre isso para alertar sobre o crime que é o racismo, para conscientizar as pessoas sobre práticas que são discriminatórias e pra que, sobretudo, possamos conseguir curar nossa sociedade desse mal tão perverso”. – Patricia Santos, sócia-fundadora da EmpregueAfro

 

“O racismo pra mim é você ser olhado por ter um cabelo que é diferente do que é o padrão, do que acham que é normal, é ser julgada porque você tem uma cor que é bonita e que brilha no sol, e não te deixam entrar em algum lugar ou te olham estranho porque você está sendo você mesmo. O racismo também é quando outras pessoas, mesmo que gostem de você, falam para você mudar, pedem pra alisar o cabelo ou usar uma maquiagem mais clara para que você fique mais apresentável para outras pessoas; às vezes, o racismo está escondido dentro dessas afirmações, desses pedidos e cobranças de que querem te ver bem, mas na verdade eles te impedem de ser quem você realmente é e de se apresentar ao mundo. É importante falar sobre racismo para que as pessoas continuem a viver, para que continuem vivas, continuem a ter trabalho, educação, de qualidade inclusive. É importante falar sobre racismo para que sejam combatidos crimes e tantas outras questões sociais, como a violência contra a mulher. É importante falar sobre o racismo porque não dá para ficar sem falar sobre o racismo, por que ficar sem falar sobre o racismo é esconder uma ferida que existe na sociedade brasileira e que sempre vai existir se não for falado. É importante falar porque eu preciso existir, porque você precisa existir, porque milhares de negros que já estavam aqui antes precisam existir e as futuras gerações precisam continuar existindo.”- Yvana Vaér, estudante do 6º semestre de jornalismo do FIAMFAAM

 

 

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.