Texto e Foto Gabriela Barbosa*

Com o objetivo de levar cultura pop e nerd para a periferia, sete jovens moradores do Capão Redondo, bairro localizado na zona sul de São Paulo, decidiram criar o Pefifacon: a Comic Con da periferia. O evento aconteceu no último domingo (24), na Fábrica de Cultura do bairro e, entre os convidados, estavam os rappers Rashid e KL Jay.

Foram realizadas 2.700 inscrições previamente pelo site, mas o evento recebeu um total de 4 mil pessoas. De crianças à pessoas da terceira idade, da zona sul, leste e até mesmo de outras cidades, o Perifacon contou com um público diverso e teve uma ótima recepção.    Além disso, Homem aranha, Goku, Os incríveis e Super Choque também “estiveram presentes” em cosplayers cheios de empenho e criatividade.

 

“Primeiro que eu não esperava a quantidade de pessoas que teve e achei incrível ter alcançado tanto. Ter um evento dessa dimensão na periferia só me fez acreditar que a grande massa vai perceber que existe um público grande de pessoas que curtem a cultura pop / geek e melhor ainda artistas incríveis que necessitam dessa visibilidade, não somente para a grande massa, mas para os próprios habitantes da região periférica! Eu escolhi vir de Super Shock pela nostalgia e referência. Na minha infância eu via poucos personagens negros nos desenhos, e um deles que me inspirava e eu gostava muito era o Super Shock. E me perguntei, porque não? Porque não posso fazê-lo mesmo sendo uma mulher?! E a repercussão disso foi sensacional!”  (Mônica Patrícia, radialista e cospalyer)

 

Debate: Produção e representatividade negra nos quadrinhos

Como é a representação de pessoas negras nos quadrinhos? Qual a importância da representatividade? Como isso afeta a autoestima? Esses foram alguns dos temas abordados na mesa “Produção e representatividade negra nos quadrinhos” com mediação do youtuber LOAD dono do canal Load Comics que fala sobre quadrinhos e participação de Marilia Marz, Marcelo D´Salete, Lya Nazura e Robison Moura.

Com o grande sucesso do filme Pantera Negra  muitos jovens e crianças negras passaram a se enxergar e a se sentirem representados nas grandes produções, e com isso a pauta da representação negra voltou a ser discutida.

Em um passado não muito distante o negro sempre foi representado de uma forma estereotipada ou como ajudantes de personagens brancos que tinham o papel de protagonista. Hoje em dia temos negros nos papeis principais e alguns exemplos são o Super Choque e Miles Morales.

*É aluna do quarto semestre do curso de jornalismo e monitora do NERA.

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.